quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

a terra


a terra da minha terra
dos canteiros
dos jardins
assim escura
ou esbranquiçada

a terra


vou pintar-me...

desta cor sem ninguém ver... apaixonei-me por esta terra de cor quente...

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

é arraial!

foto-com-cheiro-e-saudade-do-Verão

pela Ilha o Verão é em festa,
há sempre arraial decorado com gambiarras e flores de todas cores
!

é festa!


bandeirinhas de papel
grinaldas
e balões
quando chegam os santos populares
as ruas enchem-se de cores

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

dias de sol


que bons que são
os dias de sol de Outono

dias_de_Sol

sim, é bom estar em casa com mantinha no sofá...
sim, é bom ouvir a chuva cair lá fora...
sim, é bom o aconchego de um cachecol...
sim...



mas não há nada melhor que os dias-de-Sol fora de época!
dias-de-fotossíntese-que-são-tão-bons!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

a flutuar...


"Trata-se de uma réplica da nau de Cristóvão Colombo, que com ela descobriu a América na sua expedição em 1492. Foi também com esta embarcação que Colombo chegou ao Porto Santo para a partir daí explorar a Madeira. Foi construída na Madeira na freguesia piscatória de Câmara de Lobos pelo holandês Robert Wijntje juntamente com outros sete madeirenses. A construção demorou um ano (Julho 97 - Julho 98) e foram necessários 320 m³ de madeira, maioritariamente mogno."

É sempre bom vê-la a deslizar por este mar que nos rodeia... é bonita, faz-nos bem aos olhos e à alma!

Flutuar


nas águas que também são chão desta cidade

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

pés na areia


é um imenso prazer
este o de poder
mesmo se já não for tempo
de banhos de sol e de mar
tirar os sapatos e entrar
no domínio das gaivotas

e mesmo se a água gelar
correr e chapinar

mais ali à frente

pés na areia


aqui a areia é preta e fina...
fica entranhada em nós como esta ilha se entranha na nossa alma...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

roupa por estender

numa nova vida de roupa estendida...

Roupa que se estende


molas de todas as cores
seguram roupas de vários tamanhos
pernas sem pés
ombros sem braços
braços sem mãos

roupas que secam ao vento e ao sol
e dão cor à cidade

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

palavras

quando encontro letreiros destes aqui ou em qualquer lado,
tenho sempre a esperança que seja apenas uma "estratégia de marketing":

o erro vai chamar a atenção de quem estaciona a ler o letreiro!

as palavras


que se escrevem por aí
de qualquer forma
com quaisquer letras
que me fazem parar e olhar duas vezes
tropeções na gramática
pontapés na ortografia

não há corrector automático que lhes valha

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

terça-feira, 14 de setembro de 2010

calçada madeirense

seixos redondos pacientemente colocados lado-a-lado que nos massajam os pés quando andamos sobre eles.


segunda-feira, 13 de setembro de 2010

pés na calçada


no chão encontra-se de tudo
e às vezes é aquilo de que menos se estava à espera

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

sombra


sombras bem marcadas
são um presente que o sol às vezes dá
e que é preciso registar
(que belo dia este foi)

as sombras são sombras em qualquer lado desde que o Sol seja nosso amigo.
silhueta marcada em boa companhia nesta terra-de-cor-quente.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Poncha Regional

mistura-se bem misturado mel, aguardente e limão e o resultado é este!
bebida que aquece o estômago e dizem que cura constipações...

vinho do Porto


doce e quente Porto
bom para acompanhar noites de poesia

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

quero mergulhar e ir procurar o pote de ouro...
pode ser que se não houver num, haja no outro!

Arco-íris


quando aparecem assim gigantes
apetece ir procurar o pote de ouro...

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Mar


o azul aqui nunca é tão saturado como aí
mas consegue ser tão belo para mim
nos raros dias em que é assim

o mar...


"Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto do mar"

poderia ter sido eu a escrever estas palavras neste muro...
sou apaixonada por este mar que muda de cor como quem muda de humor...

terça-feira, 31 de agosto de 2010

eu, a da Ilha

Ao pescoço trago comigo uma placa como aquelas penduradas nas portas do comercio a dizer: VOLTO JÁ. É assim que me sinto sempre que penso no Porto, cidade que tão agradavelmente me acolheu. O Porto ficou no passado agora estou pela Madeira. O amor e a amizade são a grande força que sustenta todo o universo, sem ele o mundo viveria num Inverno perpétuo. Ergui o meu castelo e refugiei-me na ilha-do-coração. Embriago-me pelas cores, sinto a leveza que se respira quando o nosso olhar se cruza com a imensidão deste mar...ai o azul do mar! Encontro flores pintadas de todos os tons do arco-íris, absorvo o verde da serra, a calma no ar, passo na rua e dizem-me: bom dia! O som do "click" da máquina fotográfica faz-me sentir que não me perdi, noutro espaço, noutro céu continuo a ser quem sempre fui. As solas gastas do sol pintam o céu de cores enquanto vagueio perdida entre caminhos a disparar sucessivos "clicks". Olho para o céu como se fosse a primeira vez. Desfruto do instante mágico das coisas. Torno-me numa criança que se espanta com tudo. Eu sou assim.

a do Porto


a minha cidade invicta
de festas populares e bairrismos e clubismos
de calão e pronúncia
de pedra cinzenta e azulejos
de museus e lojas
de desenhos na parede
de surpresas ao virar da esquina
de mar bravo e frio, rio de ouro, céu de muitas cores

sou dura como a minha cidade
uso uma carapaça cinzenta que me protege do sol
por dentro, muitos desenhos e cores
e passarinhos que voam e flores que não cheiram

ando pela cidade a descobrir coisas bonitas
às vezes apaixono-me por outras paragens
mas a minha cidade é a minha casa